Fam. Mancuso


Santo Mancuso e Carmela Guagliano Mancuso originarios de Leonforte, Sicília.
vieram para o Brasil no ano de 1887, passando a residir
na cidade de Porto Alegre.Tiveram Sete Filhos
 Angela, Nuncia, Salvador Caetano e Domingos, nascidos em Leonforte, Francisca e Angelino, nascidos em Porto Alegre.

DOMINGOS MANCUSO
filho de Carmela e Santo, tinha 6 Irmãos: 
Angela, Núncia,
Salvador e Caetano e, nascidos em Leonforte,
Francisca e Angelino, nascidos
em Porto Alegre.


Domingos fixou  residência em Caxias do Sul a partir de
2 de Julho de 1909 quando casou-se com Cecília Fonini

Cecília e Domingos tiveram 7 Filhos.
Caetano, Clemente, Rubi, Carmela, Reno, Rômulo e Ciro.
Todos nascidos e Caxias.
Clemente Fonini
Nasceu em Stradela- Milano- Itália. Era casado com  Catharina Von Schalabrendorf, e tiveram 6 filhos: Pedro, Clementina, Cecília, Luiz, Emílio e Olava. Clemente estava entre os cinco primeiros professores de Caxias e fez parte da comissão de terras. Clemente era sogro de Domingos Mancuso

Catharina Elisabetha Eularia Allexandrina Augusta Emília Von Schalabrendorf, Casada com Clemente Fonini, nasceu em 16 de Novembro de 1856 em São Leopoldo e faleceu em Caxias no dia 10 de Janeiro de 1951. Filha do barão Hubert Karl Anton Ludwig Von Schlabrendrf e Catharina Bach. Tinha dois irmãos, Josefina e Daniel.

Mário Gardelín Para o Jornal Pioneiro edição de 23 de Maio de 1997, Sobre Catharina Von Schlabrendorff Fonini




Foto do Barão Hubert Karl Anton Ludwig Von Schalabrendorf e sua mãe 
Baronesa Maria Anna Fredericka on Wrede Von Schalabrendorf. Fotografia produzida em 1859, autor ignorado
                              

,
Hubert Karl Ludwig Von Anton Schlabrendorff, o Barão De Schlabrendorff

Entre os milhares de Imigrantes que por aqui aportaram, alguns eram descendentes da nobreza alemã. Segundo o direito alemão apenas o filho mais velho tinha direito de herdar uma fortuna paterna. Motivo pelo qual muitos emigraram para à América, pois, eram filhos mais novos que não tiveram direito à herança. Os filhos dos Nobres  tinham aulas práticas sobre militarismo, muitos eram filhos de oficiais renomados e, portanto almejavam uma carreira militar.

D. Pedro I precisava de soldados para proteger as fronteiras do sul do Brasil. Já no começo da imigração, chegaram ao Sul vários militares descendentes de nobres. Hunsche foi hum dos únicos pesquisadores sobre a Imigração alemã que escreveu sobre a atuação desses militares. Um  dos Mais conhecidos foi o Barão Von Schlabrendorff (Friedrich Wilhelm von Schlabrendorff) que eraafilhado do Imperador da Alemanha e que se estabeleceu em Bom Princípio e deixou descendência na região.


* Hubert Karl Anton Ludwig, o Barão Von Schlaberndorff, Nasceu em
3 de Novembro de 1818 em Vechta-Oldenburg, Alemanha.Veio para o Brasil
com seu pai, Friedrich de quem herdou o título. Casou-se em São Leopoldo com Catharina Bach e tiveram Três Filhos: Catharina (Esposa de Clemente) Josefina e  Daniel. Inteligente, com algum preparo, exerceu vários cargos públicos, tendo advogado nos auditorios da vila, principalmente no júri, pois tinha uma facilidade de expressão. Ainda por ocasião do processo movido contra o escravo Belchior, que tentou assassinar Tristão Monteiro, Serviu de curador do réu, desenvolvendo forte defesa, O que lhe trouxe alguns ódios. O Barão Von Schlaberndorff, filho, foi acusado pelos seus patrícios, de promover questões conflitantes de terras e outras acusações que o amarguraram bastante. Militando na conservadora política, era muito amigo de Daniel Hillebrand, tendo sempre a proteção do velho médico, que lhe dedicava estima. Como Capitão da Guarda Nacional, teve grande dificuldade com os colonos, que sentiam repugnância pelo serviço militar, e um dos lugares em que mais se fez presente esse sentimento, foi na Picada de Dois Irmãos. O Comando Geral recebera ordens de destacar, na campanha, um contingente de guardas de varias linhas ocloniais. Ao chegaressa notícia ao conhecimento dos guardas qualificados em Dois Irmãos, estes se amotinaram, declarando, veementemeentão, o Capitão Hubert von Schlaberndorff para compeli-los ao cumprimento do dever. Indo esse oficial fazer-lhes uma intimação devida, Os colonos receberam a tiros, ferindo-o gravemente. Em consequência desses ferimentos, o Capitão Barão von Schlaberndorff faleceu, em 20 de janeiro de 1858, em São Leopoldo. Dois, dos três filhos de Hubert, vieram morar em Caxias. A Baronesa Catharina por ter casado com Clemente Fonini. E o Barão Daniel por ter casado com Maria Sartori.
As terras onde foi construída a Igreja de São Pelegrino, foram presenteadas pelo Barão Daniel Von Schlabrendorff para Amália Sartori Buratto,sua cunhada que em sua chácara ergueu um capitel em homenagem a São Pelegrino onde mais tarde  seria erguida a Igreja.






Filhos de Domingos e Cecília Mancuso
Sentados: Cecília centro, a sua Direita Carmela (Lilita) a
 esquerda Ciro,o mais novo
Em pé, da esquerda para a direita, Caetano,(o mais
velho), Rômulo, Clemente
Reno e Rubi


















   
RENO MANCUSO CASOU-SE COM A PROFESSORA TALITHA CONCEIÇÃO
PRATES EM 1941. TALITHA ERA NATURAL DE ROSÁRIO DO SUL, FILHA DE
GASTÃO BARCELOS PRATES, NATURAL DE SANTA MARIA E MARIETA
CONCEIÇÃOPRATES, NATURAL DE SANTO ANTONIO DA PATRULHA
RENO E  TALITHA TIVERAM 6 FILHOS.
DOMINGOS (mesmo nome do avô) SERGIO, RENO (mesmo nome do pai)
MARICILIA, MARIA HELENA E RENAN CARLOS.


TODOS NASCIDOS EM CAXIAS DO SUL





Família de Reno e Talitha Mancuso
Da direita para a esquerda: Domingos Mancuso (neto) filho mais velho,
Ségio Prates Mancuso, Reno Mancuso (filho) a mãe, Talita Prates Mancuso,
no colo, Renan Carlos Mancuso, Aao lado Maricilia Therezinha Prates Mancuso,
Carmela Mancuso (tia Lilita) Irma de Reno em Seu colo Maria Helena Mancuso.















Maricilia, Domingos, Reno, Talitha, Maria Helena, Walter, Reno(filho) e Renan Carlos





Antigamente era um costume comum uma reunião de família para um
Piquenique 
Esse foi realizado entre os anos de 1948 a 1951. Da direita para a
esquerda: o menino agachado, Domingos Mancuso (neto),e ao seu lado,
Sergio Prates Mancuso, . Com o violão Na Mão,  Rômulo Mancuso
ao seu lado  Antonio Baldi. No grupo
de Meninos , Os Dois menores são Vinicius e Ricardo Ramos Baldi, filhos
 de Ildo e Dulce Ramos Baldi, que está sentada ao lado direito de Reno
. Em péao lado dos meninos
Minha  Malvina, esposa de Rômulo. ao lado seu,  Ida Prates Cunha ( Dadá), Irma
de Talitha , ao seu lado, Talitha Prates Mancuso E depois, Yna, esposa de  Ciro Mancuso que está logo atrás dela
 . No meio da foto, sentado
está, Reno Mancuso ao Seu lado o filho, Reno Mancuso (Reninho) e
parcialmente aparecendo em
sua frente, a filha Maricilia Prates Mancuso. Próximo a árvore, estão, Carmela Mancuso Pisamiglio e seu marido
Ezidio Pisamiglo. Encostada na árvore, ao lado de Ezídio, estão
Leila Ramos, 
 Dulce e Hildo. Sentadas estão, Ceciclia Fonini Mancuso e
 a seu lado
Marieta Coceição Prates. A  frente estão
Caetano Mancuso e sua esposa, Benilda Ramos Mancuso, ao lado
seus filhos, Solon e Nelson Mancuso.
 A Criança, Entre Os Dois E Emersom Baldi.
Domingos Mancuso e um grupo de amigos
Ano_ Entre 1909 e 1915




Alunos e Professores do Colégio do Carmo, ano: Aproximadamente 1923 OU 1924
Caetano Mancuso na primeira fila o primeiro ao lado esquerdo do professor.
Clemente mancuso sentado, o primeiro a direita do professor.









Cartão POSTAL Enviado por CECÍLIA AO, ENTÃO, FUTURO
MARIDO Domingos..





RENO (Fonini) Mancuso

Família de Domingos Mancuso
Da Esquerda Para a Direita.
Clementina Fonini, (cunhada) Alexandrina Von Schlabbrendorff Fonini (sogra),
Carmela Mancuso (filha) e Cecília Fonini Mancuso (Esposa).
Reno Mancuso (filho), Caetano Mancuso (filho), Rômulo Mancuso (filho),
 Clemente Mancuso
(Filho) e Rubi Mancuso (filho). Ano Ap. 1925- Caxias local- fazer Sul-,
Residência Fonini,
 Rua Sinimbu quadra between um Dr. Montaury e Visconde de Pelotas























































                                                               Título de Eleitor DE MEU AVO, DOMINGOS MANCUSO

ACIMA, A Certidão de Nascimento e Registro de Batismo de MEU AVO, DOMINGOS MANCUSO

ABAIXO

DOCUMENTO DE SALVO CONDUTO, PARA TODOS OS Obrigatório QUE SE DE UMA CIDADE LOCOMOVESSEM A OUTRA





Anuncio Publicitário fazer Atelier Mancuso, jornal Città di Caxias, 28 de Setembro de 1914






PARTICIPAÇÃO DO CASAMENTO DE RENO MANCUSO E TALITHA-PRATES 1941

PARTICIPAÇÃO DO CASAMENTO DE EVA CONCEIÇÃO PRATES E HILARIO TEOBALDO BENNEMAN- 1945 
                                                                                             


PARTICIPAÇÃO DO Batismo DE- DOMINGOS NETO MANCUSO-1943

Habilitação PARA O CASAMENTO DE CAETANO CLEMENTE MANCUSO E Benilda RAMOS DE OLIVEIRA- O MOMENTO-1938

PARTICIPAÇÕES DOS Aniversários DE TALITHA PRATES (MANCUSO) - DOMINGOS E MANCUSO DE PRIMEIRO ANO DE RAMOS SOLON MANCUSO

PARTICIPAÇÃO DO PRIMEIRO ANIVERSÁRIO DE SERGIO PRATES MANCUSO
Habilitação parágrafo O Casamento de Caetano Mancuso e Benilda Ramos.